Cidades Irmãs

A geminação entre cidades nasceu da convicção profunda de que se todos os homens pudessem estabelecer laços mais estreitos, a cooperação e compreensão internacionais seriam mais autênticas e dar-se-ia um passo para a vivência em paz, pelo desenvolvimento solidário e pelo bem-estar. Na realidade, a geminação permite estabelecer uma rede universal de cidades, cimentando relações de amizade, intercâmbio e solidariedade, definindo o direito internacional de participação, pelo qual um cidadão de qualquer cidade do mundo participa do bem estar, do progresso e dos serviços que outra cidade oferece, pelo simples facto de residir ou estar nela.

Acordos de Geminação da Cidade de Angra do Heroísmo:

Tulare (EUA) - 10 de março de 1966

 

Tulare está situada na Califórnia, mais propriamente entre São Francisco e Los Angeles, as duas principais cidades da costa do pacífico. 

Tulare é formada, em 1852, a partir da região de Mariposa. O restante território originou, em 1856 Fresno, em 1866 Kern e Inyo e em 1893 Kings.

O Comandante Pedro Fages, enquanto caçava fugitivos, em 1772, descobriu um grande lago cercado por pântanos e cheio de juncos que chamou Los Tules. É a partir desse lago que, mais tarde, surge o nome Tulare. A raiz dessa palavra é encontrada numa palavra Mexicana, Tullin.

Tulare foi a primeira cidade com a qual Angra do Heroísmo se geminou. E esta foi também uma das três primeiras geminações de autarquias portuguesas e a primeira geminação de uma autarquia açoriana.

A maior parte da população de Tulare é constituida por portugueses, luso-americanos e luso-descendentes, quase todos originários dos Açores, sobretudo da Ilha Terceira.

Página Oficial www.tulare.ca.gov

 

 

Salvador - Baía (Brasil) - 27 de dezembro de 1985

 

Com os anos, o velho modelo das capitanias-donatarias não se adaptava já à época e, a breve trecho, o Rei cativava a capitania do falecido Francisco Pereira Coutinho para a Coroa, e o sistema era alterado com a nomeação de um governador-geral, Tomé de Sousa. Tomé de Sousa foi despachado, com carta de 7 de janeiro de 1549, como “capitão da povoação e terras da dita Baía de Todos os Santos e de governador-geral da dita capitania e das outras capitanias e terras da costa do dito Brasil” , partiu de Lisboa a 1 de fevereiro e fundeava na Baía de Todos os Santos a 29 de março do mesmo ano.

A cidade de São Salvador foi implantada num dos terrenos mais altos e escarpados da Baía de Todos os Santos, escolhida por ser um excelente porto, mas o que dificultou inicialmente a implantação das muralhas e o que não se conseguiu à primeira vez. Temos assim uma das primeiras informações de arruar, ou seja delinear as ruas da uma futura cidade.

No quadro deste trabalho, não podemos deixar de citar uma carta do governador Tomé de Sousa ao provedor das armadas, Pedro Anes do Canto, com novos dados sobre a nova cidade. A carta é datada de São Salvador da Baía de Todos os Santos, de 4 de agosto de 1549, e refere a acção do filho do provedor, Francisco do Canto, que teria ido como ajudante do governador: “E se lá (em Lisboa, pensamos, devia querer escrever o Governador) ouvirdes dizer que eu fiz cá uma cidade, ele a fez, e há tanto de vosso em tudo, que não sei que maior ganho eu posso dizer dele que este”.

Claro que teremos de descontar a amizade entre os dois grandes do Reino, pois a construção de raiz da cidade do Salvador foi preparada ao pormenor em Lisboa, levando, inclusivamente, o Governador e o seu mestre de obras, Luís Dias, não só um, ou vários projectos, como maquetas do que se deveria fazer. Mas, por outro lado, a presença do filho do provedor das armadas no gabinete inicial de Tomé de Sousa e a referência que o mesmo lhe faz nessa carta, não deixa de ser indicativo de Francisco do Canto ter levado a cabo um interessante trabalho nesta primeira fase de implantação da nova cidade.

Acresce ainda que a semelhança de traçado entre Salvador e Angra, não pode deixar de nos alertar para, pelo menos, a circulação de modelos e experiências, já ensaiadas e bem sucedidas nas Ilhas, para as restantes áreas da expansão.

Assim, tudo parece indicar, que não só o trabalho levado a cabo em Angra pela provedoria das armadas no 2.º quartel do século XVI (Angra foi elevada a cidade e sede de bispado em 1534) era reconhecido em Lisboa, como os próprios filhos do provedor se encontravam credenciados para acompanhar um assunto de uma tão grande importância, como o proceder ao levantamento da nova cidade para capital do Brasil.

Página Oficial http://www.salvador.ba.gov.br/

 

Protocolo de Geminação

Taunton (EUA) - 19 de abril de 1986

 

A cidade de Taunton situa-se no condado de Bristol no estado norte americano de Massachusetts. Tem uma população de cerca de 55.000 habitantes e uma área de 125.39 km2, o que corresponde a uma densidade populacional aproximadamente 445 habitantes por km2.

Cerca de metade da população de Taunton é portuguesa ou sua descendente, sendo significativa a população que é de origem terceirense.

Fundada em 1637 por membros da colónia de Plymouth, Taunton é uma das mais antigas cidades nos Estados Unidos da América. Os nativos americanos chamaram a região Cohannet, Tetiquet e Titicut antes da chegada dos europeus. Taunton também é conhecida como a "Cidade de Prata", por ter sido importante centro da indústria de prata no início do século XIX.

Página Oficial http://www.taunton-ma.gov/Pages/index

 

Protocolo de Geminação

Évora (Portugal) - 8 de dezembro de 1988

 

Évora está situada no Alentejo (sul de Portugal), a uma distância de cerca de 130 km de Lisboa. A parte entre muralhas conserva bastantes traços dos seus tempos mais antigos, incluindo monumentos de várias épocas. O centro histórico de Évora faz parte da lista da UNESCO das cidades património mundial. Foi habitada no tempo dos romanos, tendo sido chamada Liberalitas Julia, e deste período restam inúmeros vestígios dos quais se destaca o templo romano conhecido por "Templo de Diana". Durante as invasões bárbaras, Évora esteve sobre domínio visigodo. Em 715 D.C. a cidade foi conquistada pelos mouros.

Évora foi tomada aos mouros por Geraldo "Sem Pavor" em 1166 (foral concedido por D. Afonso Henriques no ano seguinte) e tornou-se durante a Idade Média uma das mais prósperas cidades do reino, principalmente durante a dinastia de Avis (1385-1580). Em 1551 foi fundada pelos Jesuítas a universidade, e por lá passaram grandes mestres do saber da época como por exemplo Clenardo e Molina. Em 1759 foi encerrada por ordem do Marquês de Pombal, aquando da expulsão do Jesuítas (a universidade voltou a ser reaberta apenas em 1973). O século XVIII marca o início do declínio da cidade de Évora. A testemunhar a dinâmica histórica e cultural das várias épocas, ficaram os muitos e belos monumentos realizados por diferentes artistas, que hoje podem ser admirados em todo o seu esplendor.

Hoje, o bonito centro histórico ocupa uma área de 105 ha e possui cerca de 4.000 edifícios

Página Oficial http://www.cm-evora.pt

 

Protocolo de Geminação

Florianópolis (Brasil) - 20 de setembro de 1994

 

Florianópolis teve como primeiros habitantes os índios Tupis-Guarinis, quando ainda aquelas terras apenas se chamavam Miembipe e Jurerê Mirim. Assim, o primeiro navegador a atracar nessas terras foi por volta de 1541,era espanhol, e tinha como nome Cabeza de Vaca. Só passado mais um século é que chegam os bandeirantes e vinham acompanhados por Francisco Dias Velho. Estes fundaram a povoação Nossa Senhora do Desterro e para conseguir que esta tivesse algum futuro, o Governo Português enviou cerca de 5.000 colonos, oriundos das ilhas dos Açores e da Madeira.

Por volta de 1894, em homenagem ao Marechal Floriano Peixoto, aquela cidade adquiriu a denominação, no qual hoje é conhecida – Florianópolis.

Florianópolis é uma cidade que possui excelentes praias, lagoas e lugares românticos. Esta é a capital do Estado de Santa Catarina e é considerada um dos melhores locais a nível de qualidade de vida no Brasil.

Atualmente, a cidade conta com cerca de 370.000 habitantes, sendo considerada a única capital do Brasil que excede a população habitual. É uma cidade muito afamada por parte de quem a visita, essencialmente devido às suas belas 42 praias.

Página Oficial http://www.pmf.sc.gov.br/

 

 

Protocolo de Geminação

Gustine (EUA) - 18 de julho de 2002

 

A cidade de Gustine é maioritariamente povoada por gente de origem portuguesa, sobretudo açoriana, com predominância de terceirenses, que mantém vivas as tradições religiosas e culturais da sua terra natal.

Os nossos emigrantes levaram para Gustine, como para outras paragens espalhadas pelos quatro cantos do mundo, as suas tradições, ricas em diversidade, como forma de encurtar a distância geográfica, atenuar o sentimento de distância da família e amigos, e mitigar a saudade.

De salientar, a festa religiosa em honra de Nossa Senhora dos Milagres, cuja imagem venerada é cópia da existente no Santuário da Freguesia da Serreta, na Ilha Terceira, e à qual se associam coroações de várias localidades daquele estado.

O pagamento de promessas, os cortejos, o convívio social e o reviver das tradicionais touradas, concentram milhares de luso-americanos e os festejos são amplamente aceites, participados e vividos pela maior parte dos habitantes de Gustine.

A chave do sucesso da perpetuação destas tradições recai fortemente na transmissão das responsabilidades aos jovens e na motivação das crianças descendentes de imigrantes. Estes foram alguns dos aspetos que presidiram à celebração do acordo de geminação que, visando o estreitamento dos laços de amizade, intercâmbio e apoio mútuo, foi assinado entre as cidades de Angra do Heroísmo e Gustine.

Geminação essa, que tem produzido efeitos muito para além do papel. Efetivamente tem havido, entre estas duas cidades irmãs, uma forte relação, traduzida na troca de conhecimentos e de experiências, envolvendo diferentes setores da sociedade, como tem sido o caso de envio e receção de comitivas e de personalidades valorizando a sempre desejada cooperação descentralizada.

Página Oficial http://www.cityofgustine.com/

 

Protocolo de Geminação

São Vicente (Cabo Verde) - 19 de novembro de 2003

 

Em 1830 o primeiro ministro de Portugal, Marquês Sá da Bandeira, decretou que a povoação da Baía do Porto Grande, na ilha de São Vicente, recebesse o nome de Mindelo, evocando o nome da praia portuguesa com o mesmo nome, onde desembarcaram as tropas do Rei D. Pedro IV. Ao mesmo tempo, foi apresentado um “plano de edificação da urbe”, que é considerado o momento da fundação da cidade.

Fundada formalmente em 1830, a cidade do Mindelo é a segunda maior cidade de Cabo Verde. Considerada a capital cultural do país, multiplicam-se no Mindelo atividades e manifestações ligadas ao mundo das artes. A cidade é berço de escritores, autores, compositores e intérpretes da música cabo-verdiana, hoje conhecida e apreciada em todo o Mundo. Cesária Évora, a “diva dos pés descalços”, nasceu no Mindelo.

Cidade hospitaleira – diz-se que a morabeza nasceu aqui e aqui continua a viver –, urbanisticamente cuidada, com um património histórico bem preservado e uma vida social intensa, o Mindelo possui também um ambiente cosmopolita graças ao seu porto de águas profundas, o Porto Grande, que serve de escala transatlântica para navios de todas as nacionalidades, sendo uma das mais importantes infraestruturas do país.

Mindelo é o resultado de duas grandes influências, a colonial portuguesa e a britânica, denunciadas ao virar de cada esquina nos seus arruamentos e na arquitetura dos seus belos edifícios. Destacam-se o Palácio do Governador, a Câmara Municipal, a Pracinha

Página Oficial http://www.uccla.pt/membro/sao-vicente-mindelo

 

Protocolo de Geminação

Gramado (Brasil) - 9 de março de 2004

 

Gramado fica situada na Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Esta região é também conhecida como a Região das Hortênsias e Planalto das Araucárias.

Em 7 de outubro de 1809, foi criada, por Provisão Real de D. João VI, a 1.ª rede de municípios do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Rio Grande, Rio Pardo e Santo António da Patrulha.

Ao longo dos séculos XIX e XX, desmembraram-se direta ou indiretamente de Santo António da Patrulha, 76 municípios, entre os quais, Gramado.

Em 17 de janeiro de 1913, o lugar denominado Gramado, passou a ser a sede do 5.º Distrito, onde sediaram as autoridades. Nesta zona já haviam habitantes de origem luso-açoriana, com terras registadas desde 1880 e 1882, e seus pioneiros colonizadores eram Tristão José Francisco de Oliveira e José Manoel Correia. Foi concomitante a entrada da colonização de descendentes alemães e italianos, somando-se ainda sírio-libaneses.

A cidade encontra-se sobre uma rocha melafírica (basalto) ou seja, um grande "lajeado". Sua altitude atinge 850 metros e o clima é frio, com alto índice pluviométrico. Nascentes doces vertem por todo o território gramadense que pertence à duas grandes bacias hídricas do RS: a bacia do Rio Caí (ao norte) e a do Rio dos Sinos (ao sul) .

Emancipou-se em 15 de dezembro de 1954, iniciando uma vida independente. Seus Prefeitos foram: Walter Bertoluci, Arno Michaelsen, José Francisco Perini, Horst Ernest Volk, Waldemar Frederido Weber, Nelson Dinnebier, Pedro Henrique Bertolucci e Nestor Tissot.

Gramado passou depressa pelas transformações de um pouso de tropeiros, povoamento, vila e cidade. Do "pouso de tropeiros" ao "pouso de turistas", guardou na memória um pouco de seu passado. Hoje Gramado vive do turismo organizado de seus eventos e muito ainda, de seus atrativos naturais. O movimento cultural da cidade é bastante significativo, onde se destacam eventos anuais como o Festival do Cinema, Festival de Turismo, Natal Luz e Festa da Colónia. A gastronomia é rica e típica das etnias formativas de Gramado, bem como, de sabores internacionais requintados. O visitante encontra uma rede de hotéis e pousadas que podem garantir sua satisfação. A Av. Dr. Borges de Medeiros centraliza o comércio mais forte de seus produtos. E se o visitante desejar conhecer como vive o nosso povo no meio rural, existem passeios específicos para isto, étnicos e divertidos.

A Geminação com Angra do Heroísmo adveio de contatos iniciados no Projeto “Açores à descoberta das raízes” promovido pelo Gabinete Regional das Comunidades, do Governo Autónomo dos Açores.

Página Oficial http://www.gramado.rs.gov.br/

 

Protocolo de Geminação

Gilroy (EUA) - 22 de junho de 2005

 

Os primeiros habitantes que Gilroy teve foram os índios Ohlone e tal como muitos outros sobreviviam a partir da caça e da recolha de alimentos até à chegada dos missionários espanhóis e das forças militares. Deste modo, a colonização por parte dos espanhóis surgiu a partir de 1800.

Gilroy é conhecida como a "Capital do Alho do Mundo", e tem um festival com esse tema que decorre todos os anos no mês de julho. Com a chegada de agricultores japoneses durante a I Guerra Mundial, o alho era cultivado em grande escala. O Festival de Alho de Gilroy teve início no ano de 1979 e, anualmente, tem uma participação de 130.000 pessoas. Este festival reúne verbas para a comunidade e assim, ficou instituído o Festival de Alho a nível mundial.

Para além disso, esta cidade possui muitas outras aspetos de relevância, como por exemplo, é conhecida por ser um meio calmo e ter muitos parques premiados. Esta cidade é galardoada com o título de "Tree City USA," ou seja, um título que é entregue às cidades mais "verdes", aquelas que respeitam o ambiente.

Devido ao desenvolvimento ocorrido na cidade, tanto a nível de equipamentos de apoio à comunidade como outros recursos, esta tem sido considerada como um bom local para viver.

Página Oficial http://www.cityofgilroy.org/cityofgilroy/

 

Protocolo de Geminação

Porto Novo (Cabo Verde) - 21 de agosto de 2011

 

O Município do Porto Novo é o maior da Ilha de Santo Antão com uma área de 557,29 km2, 67,1% da superfície total da Ilha dividido em duas freguesias: São João Baptista com sede na Cidade do Porto Novo (outrora a sede era Ribeira das Patas) a mais extensa e deserta freguesia da Ilha, com uma área de 439,61 km2 e uma população cerca de 13.500 habitantes e Santo André, a segunda em extensão, apresenta uma área de 118,38 km2 com uma população cerca de 3.700 habitantes.

Em 1732, com a chegada do ouvidor José da Costa Ribeiro, mandado pelo Rei para fazer o primeiro termo de vereação da Cidade da Ribeira Grande, para pronta eleição de vereadores da Câmara e a 7 de maio do mesmo ano, cria-se a Cidade da Ribeira Grande e o Concelho da Ilha de Santo Antão, tendo a Cidade substituída a Povoação de Santa Cruz.

Em 1867, a Ilha é desdobrada em dois Concelhos, com o aparecimento do Concelho do Paul.

Levando em consideração a proximidade entre os Concelhos, em relação a extensão da Ilha, nota-se a necessidade de incidir sobre os Carvoeiros, atual Porto Novo, suprime-se em 1895 o Concelho do Paul, o qual só veio a ser restaurado em 1917, mas como Concelho irregular, ou melhor como uma Junta Administrativa. Em 1912 é criado pela primeira vez o Concelho do Porto Novo, que não entrou a funcionar, possivelmente, por falta de verba ou por outras razões, até que em 1962 passa a ser uma realidade depois de ter passado por um Posto Administrativo em 1942.

Com a colocação de um novo administrador em Santo Antão e dadas as longas distâncias que separavam Porto Novo e Ribeira Grande, e com o alargamento do povoamento, Porto Novo foi dividido em duas zonas administrativas. A Freguesia de São João Baptista com sede em Ribeira das Patas e a Freguesia de Santo André com Sede em Ribeira da Cruz (1811/1814). Nesta data, e como o poder económico da ilha localizava em Paul, a sede da Ilha foi transferida de Ponta do Sol para o Paul, donde foi criada a nova Sede da Ilha ou melhor o Concelho de Santo Antão. A dita transferência, desencadeou um conflito entre Paul e Ribeira Grande, conhecido pela guerra de pau de café, que provocou a queda do poder administrativo o que obrigou com que Porto Novo passasse a ser a Sede de Ilha de Santo Antão, com sede em Ribeira das Patas, durante um período de 3 anos - 1814 a 1817.

Com esse acontecimento, Porto Novo conheceu uma nova dinâmica administrativa e económica e surgiu os primeiros fluxos de interpostos comerciais (contrabando), bem como as primeiras prospecções de criação de gados e pesca artesanal nas encostas planas e arredores.

O Povoamento do Porto Novo foi relativamente tardio, cerca de 1750, devido a escassez de recursos naturais (água) e a dispercidade geográfica. Os primeiros povoamentos, localizaram nas zonas de Alto Mira, Ribeira da Cruz, Martiene e Tarrafal de Monte Trigo, devido a existência de algumas potencialidades agrícolas. Nesta altura, cada uma das zonas referidas, pertencia um proprietário/Senhorio, oriundos da Ribeira Grande, que normalmente faziam parte das autoridades da Ilha. Com a exploração agrícola os proprietários/donos das zonas, provocaram a mobilidade social de camponeses das diferentes regiões de Ribeira Grande, para trabalharem as terras e assim iniciaram o processo de povoamento no Porto Novo.

Página Oficial http://www.caboverde.com/ilhas/ysant-it.htm

 

 

Protocolo de Geminação

Cartagena de Índias (Colômbia) - 14 de agosto de 2015

 

Cartagena de Índias situa-se no litoral norte da Colômbia, capital do departamento de Bolívar. É a quinta maior cidade do país, e a segunda maior na região. As principais atividades económicas da cidade são as indústrias marítima e petroquímica, bem como a turística.

A cidade foi fundada em 1 de junho de 1533, pelo comandante espanhol Pedro de Heredia, onde antes se encontrava uma vila da tribo indígena Calamarí e foi batizada em homenagem a Cartagena, em Espanha. Todavia, o assentamento de vários povos indígenas na região da Baía de Cartagena data de 4.000 a. C..

Durante o período colonial, a cidade teve um papel fundamental na administração e na expansão do Império espanhol, devido a presença dos vice-reis que habitavam a cidade. Cartagena foi um importante porto comercial espanhol desta época. Era especialmente utilizado para escoar ouro e prata para a Coroa Espanhola por rotas que terminavam nos portos espanhóis de Cartagena, Cádiz e Sevilha. Também foi o maior ponto de comércio de escravos trazidos do continente africano. Esses metais preciosos, originários das minas de Nova Granada e Peru escoavam para o porto da cidade, e de lá embarcavam para Espanha, via Havana.

Com a fama de grande riqueza e prosperidade, transformou-se num local de pilhagem atraente para piratas e corsários. Por isso, o Rei Filipe II encomendou 11 km de muralhas e fortes que serviriam de defesa para a cidade entre os séculos XVII e XVIII. A fortificação é considerada a mais completa da América do Sul e foi terminada em 1796.

Em 11 de novembro de 1811, a cidade declarou a sua independência, após estar sob o domínio espanhol mais de 275 anos. Havia sido a maior cidade do Vice-reino da Nova Granada até 1811, até que a Guerra Peninsular, que acabaria por se converter em Independência da América Espanhola, e a Revolta dos Comuneros, marcou um declínio dramático em todos os aspetos para a cidade que havia se convertido na capital virtual da Nova Granada. Em decorrência disso, a cidade foi quase totalmente destruída e viu os seus antigos palácios e edifícios públicos transformados em ruínas. Há relatos de uma Cartagena transformada numa cidade fantasma, salva por cerca de 500 escravos libertos que ali passaram a viver. A partir de 1880 Cartagena das Índias conheceu um significativo desenvolvimento. Imigrantes de várias partes do mundo, principalmente Sírios, Palestinos, Libaneses e Chineses, foram-se estabelecendo na região.

O centro histórico de Cartagena de Índias, conhecido como a cidade fortificada, foi declarado Património Nacional da Colômbia, em 1959, e Património da Humanidade pela Unesco, em 1984. No ano de 2007, a sua arquitetura militar foi reconhecida como a quarta maravilha da Colômbia.

Página Oficial http://www.cartagena.gov.co/

 

Protocolo de Geminação

Jining (República Popular da China) - 27 de setembro de 2015

 

Jining é uma cidade situada no sudoeste da província de Shandong na República Popular da China. Faz fronteiras a sudoeste com Heze, a sudeste com Zaozhuang, a nordeste com Taian, e as províncias de Henane Jiangsu a noroeste e a sul, respetivamente. Jining está localizada acima do Lago Nanyange é a cidade mais a norte do Grande Canal da China, sendo acessível por via marítima.

A sua população no ano de 2010 era de 8,081,905 milhões de habitantes, sendo que 1,241,012 milhões viviam na área metropolitana de Rencheng, numa área de 884 km2.

A região recebeu a designação de Jining no ano de 1271 durante a Dinastia Song, embora a área exata e o tipo de circunscrição administrativa tenha-se vindo a alterar ao longo dos séculos.

Jining tem várias associações distintas na história e na cultura chinesa, bem como na antiguidade, pois é considerada o lugar onde nasceu e viveu o filósofo e pensador Confúcio e de muitos dos seus discípulos mais famosos, como Mêncio. Muitos desses templos, preparados para receber esses filósofos, ainda existem em várias partes da cidade.

Liangshan, um município de Jining, também é famoso por ser considerado o principal cenário de um dos quatro grandes romances clássicos da literatura chinesa, «Margem da Água».

Página Oficial http://www.jining.gov.cn/>

 

Protocolo de Geminação

Alenquer (Portugal) - 13 de maio de 2016

 

Em 1832, o decreto de 16 de maio, colocou Alenquer como cabeça de comarca de quinze vilas entre as quais Aldeia Galega. Vila Verde, concelho e vila, ficou a pertencer a Torres Vedras. Posteriormente, a «novíssima reforma judicial» (1854) deixou a comarca de Alenquer reduzida apenas a seis julgados: Alcoentre, Aldeia Galega, Alenquer, Azambuja, Cadaval e Sobral. O julgado de Vila Verde foi extinto.

Em 1837, a lei de 12 de junho constituiu o concelho de Alenquer marcando-lhe quatro freguesias na vila e no seu termo as seguintes: Atouguia, Cabanas de Torres, Cadafais, Carnota, Espiçandeira, Olhalvo, Ota, Palha Cana, Paul de Ota, Santa Quitéria e Vila Nova da Rainha. Esta última, posteriormente passou para o concelho de Azambuja. Em 22 de dezembro deste mesmo ano (1837) o Vale do Carregado que pertencia a Vila Franca, passou para Alenquer.

Em 1854, Vila Verde perdeu o último vestígio do seu caráter municipal e passou a fazer parte do concelho de Aldeia Galega.

Em 1855, no mês de dezembro, foi extinto o concelho de Aldeia Galega. O seu «distrito» ficou junto ao de Alenquer, «formando ambos o concelho como atualmente se acha». Era o começo de um novo período da história local.

Os melhoramentos materiais da Regeneração chegaram com as estradas, o caminho de ferro, as fábricas, a opulência de algumas quintas residenciais da burguesia triunfante e a construção majestosa do edifício dos paços do concelho. Nesta época, Alenquer ganha importância industrial.

Os movimentos literário e artístico do Romantismo passaram pela Casa de João de Deus na Cortegana, pela casa do pintor Ribeiro Cristino do «Grupo do Leão» no Arneiro, pela casa de Guilherme João Carlos Henriques na Carnota e pelas «Farpas» assinadas por Ramalho Ortigão reclamando «durante o verão pelo menos, um vapor em que se navegue pelo Tejo acima até ao Carregado, como noutro tempo».

As vicissitudes do liberalismo e a sua repercussão cultural mudaram, assim, a face do Concelho de Alenquer no século XIX.

Página Oficial http://www.cm-alenquer.pt/Home/Home.aspx

  

Apresentação em Angra do Heroísmo do acordo de geminação com Alenquer

Foi apresentado durante a tarde do dia 25 de junho de 2016 o acordo de geminação entre o Município de Alenquer e o Município de Angra do Heroísmo na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

Foi assim dado um passo para que dois municípios irmãos, cuja história se cruzou no passado inúmeras vezes, replique para o futuro as suas boas relações, seja pela via cultural, académica, económica ou outra.

 

 

Protocolo de Geminação

Funchal (Portugal) - 9 de setembro de 2016

 

Nos finais deste século XV e com a vigência à frente da Ordem de Cristo de D. Manuel, duque de Beja, incentiva ele próprio o planeamento e a estruturação da progressiva e próspera vila, mandando levantar os Paços do Concelho e dos Tabeliães, aptos a funcionar em 1491, enviando o pelourinho da vila, então denominado por "picota" (1486), mandando levantar uma igreja nova, começada em 1493 e depois elevada à categoria de Sé Catedral, em 1514 e quase ao mesmo tempo, mandando levantar um hospital e a nova alfândega do Funchal.

Com o início do século XVI, em 1508, o Funchal é elevado à categoria de cidade e, poucos anos depois, em 1514, é elevado a sede de bispado, mais tarde e após a criação das dioceses de Angra, Cabo Verde, S. Tomé e Goa, ainda a arcebispado, tendo como sufragâneas aquelas novas dioceses.

A cidade desenvolve-se então por uma longa rua ribeirinha, que ao longo do seu percurso e história vai conhecendo vários nomes, como Santa Maria, dos Caixeiros, Alfândega e dos Mercadores, da qual nascem perpendiculares, bordeando as três ribeiras que atravessam o largo vale e se dirigem para as serras. A primeira e principal foi a Rua Direita, nascendo na foz das Ribeiras de João Gomes e de Santa Luzia e depois o caminho que vai para o Palheiro, o caminho que vai para o Monte, o caminho que vai para Santa Luzia, o caminho e Calçada de Santa Clara e assim sucessivamente. Paralelamente à rua principal ribeirinha irão surgir outras, como ao longo do calhau, a Rua da Praia, e entre as Ribeiras de Santa Luzia e de São João, a Rua da Carreira, "pelos cavalos que costumam correr nela", como refere o cronista Gaspar Frutuoso e que se repetirá em Câmara de Lobos, em Angra, nos Açores, em Mazagão, no Norte de África e em várias povoações do Brasil.

Página oficial: http://www.cm-funchal.pt

  

  

  

Protocolo de Geminação assinado nos Paços do Concelho de Angra do Heroísmo na tarde de 9 de setembro de 2016.

     

  

Protocolo de Geminação

A ligação de amizade estabelecida entre Angra do Heroísmo e outras cidades, individualmente, significa um profundo compromisso com os objectivos internacionais da liberdade, democracia, justiça, cooperação e conquista de um elevado nível de vida para as respectivas populações. É, sobretudo a oportunidade de contribuir para fomentar a confiança mútua, a amizade e compreensão a um nível pessoal e cívico, de celebrar e reforçar os fortes laços históricos e culturais que as unem, e de reconhecer um interesse mútuo no comércio, indústria e educação.

Contactos

  • Telefone +351 295 401 700
  • Email angra@cmah.pt

Morada: Praça Velha 9701-857 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sexta-feira das 8h30 às 16h30, Tesouraria e Serviços de Atendimento ao Público das 8h30 às 16h00

  • Telefone 295 401 700
  • Email angra@cmah.pt

Morada: Praça Velha 9701-857 Angra do Heroísmo

  • Telefone 295 204 850
  • Email smah@cmah.pt

Morada: Rua do Barcelos, n.º 4 9700-026 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sexta-feira das 8h00 às 16h30 - Serviços de Atendimento ao Público

  • Telefone +351 295 401 700
  • Email cultura@cmah.pt

Morada: Canada Nova de Santa Luzia, S/N 9700-130 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sexta-feira das 9h00 às 17h00

  • Telefone +351 295 401 700
  • Email desporto@cmah.pt

Morada: Rua Gonçalo Velho Cabral 9700-200 Angra do Heroísmo

  • Telefone +351 295 401 700

Morada: Rua Tomé Belo de Castro 9700-200 Angra do Heroísmo

Horário: De domingo a quinta-feira das 13h00 às 24h00 sextas e sábados das 13h00 à 1h00

  • Telefone 295 212 437

Morada: Tomé Belo de Castro 9700-200 Angra do Heroísmo

  • Telefone 295 212 025

Morada: Tomé Belo de Castro 9700-200 Angra do Heroísmo

  • Telefone +351 295 401 700

Morada: Rua da Esperança 9700 Angra do Heroísmo

  • Telefone +351 295 401 700

Morada: Rua do Rego, Rua do Mercado e Rua da Esperança 9700 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sexta-feira das 7h00 às 16h00 aos sábados das 7h00 às 14h00

Morada: Rua Direita 9700 Angra do Heroísmo

Horário: janeiro, fevereiro, março, novembro e dezembro das 8h00 às 18 h00; abril e outubro das 8h00 às 20h00; maio e setembro das 8h00 às 22h00; junho, julho e agosto das 8h00 às 24h00

Morada: Largo da Boa Nova 9700 Angra do Heroísmo

Morada: Rua Padre Jerónimo Emiliano de Andrade 9700-140 Angra do Heroísmo

Horário: janeiro, fevereiro, março, abril, outubro, novembro e dezembro das 8h00 às 18h00; maio, junho, julho, agosto e setembro das 8h00 às 20h00

  • Telefone 295 907 087

Morada: Canada do Porto, Cinco Ribeiras 9700 Angra do Heroísmo

  • Telefone +351 295 905 451

Morada: Caminho da Salga, São Sebastião 9700 Angra do Heroísmo

Morada: Rua Direita 9700 Angra do Heroísmo

Horário: janeiro, fevereiro, março, novembro e dezembro das 8h00 às 18h00; abril e outubro das 8h00 às 20h00; maio e setembro das 8h00 às 22h00; junho, julho e agosto das 8h00 às 24h00

Morada:

Horário: De segunda a sexta-feira das 8h00 às 18h00

Morada: Rua de Santo António dos Capuchos 9700 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sábado das 9h00 às 17h00; domingos eferiados das 9h00 às 13h00

Morada: Avenida Conde Sieuve de Meneses 9700 Angra do Heroísmo

Horário: De segunda a sábado das 9h00 às 17h00; domingos e feriados das 9h00 às 13h00

  • Telefone +351 295 401 700
  • Email assembleia.municipal@cmah.pt

Morada: Praça Velha s/n 9701 - 857 Angra do Heroísmo

Morada: Aterro Sanitário Intermunicipal da Ilha Terceira Biscoito da Achada 9700-135 Ribeirinha

Morada: Biscoito da Achada, freguesia da Ribeirinha 9700 - Angra do Heroísmo

Horário: De segunda à sexta das 08h00 às 18h00 e aos sábados das 09h00 às 12h00.